“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”
Amyr Klink

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Hallstatt, Áustria - ao redor dos Alpes 2017

O que falar de um vilarejo conhecido como um dos mais belos da Europa, isso e, muito mais, é Hallstatt. Suas casas construídas num penhasco às margens do lago são rodeadas pelas montanhas Dachstein criando uma bela imagem. Mas Hallstatt não é só bonita, também tem história já que é habitada há quase 7.000 anos.


Hallstatt é tão adorada pelos chineses que uma empresa de mineração construiu na China uma cópia detalhada à beira de um lago artificial mas, mesmo assim, há uma grande quantidade de turistas chineses. Por ser pequena a oferta de quartos é limitada e bem cara precisando reservar com uma boa antecedência. Os carros não entram havendo estacionamentos um pouco antes do centro, os hotéis oferecem um transfer mas escolhemos um hotel um pouco mais em conta somente a 800 metros de distância.

Nosso hotel ficava ao lado de outra grande atração, Salzvelten, considerada a mais antiga mina de sal do mundo; desde 3.000 a.C. o sal saía daqui para o Mediterrâneo e o Báltico, O acesso é feito por um funicular que em 3 minutos sobe 855 metros mas também há uma trilha.




No topo há um restaurante, uma skywalk e o caminho para a mina. Não queríamos visitar a mina e compramos só o ticket para o funicular.

skywalk


caminho para a mina
mina de sal ao fundo
Da skywalk as vistas são maravilhosas, da cidade, do lago, das montanhas....tudo é lindo demais...












Depois fomos conhecer Hallstatt, sempre com o lago ao lado.









Até que chegamos na Marktplatz, muito charmosa.





O hotel que fica na praça já hospedou a Imperatriz Sissi.


Logo ao lado a está a Igreja Luterana de 1.785, sempre presente nas fotos da cidade.



Mas queríamos achar a foto de cartão postal e seguimos em frente


até que após uma curva ela começa a se desenhar



até ficar perfeita.




Vontade satisfeita começamos a caminhar pela parte mais próxima da montanha e vimos muita água de degelo



além de belas construções.


Fomos conhecer a outra igreja, a Igreja Católica, que fica no alto.



Mas nos chamou mais atenção o cemitério ao lado da igreja, semelhante ao de Salzburg.






No cemitério fica uma capela com mais de 1.200 crânios humanos, alguns desenhados outros com o nome, isso ocorreu pelo tamanho do cemitério que não comportava todo mundo e para um ser enterrado outro era retirado e seus ossos depois de limpos eram guardados aqui. Não chegamos a visitá-la mas hoje a cremação é autorizada e tal prática não existe mais.












Nenhum comentário:

Postar um comentário