“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”
Amyr Klink

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Midi-Pirineus, França - Sul da França e Suíça 2012

Aqui começava a  nossa última semana de viagem, a mais esperada e a mais difícil de montar pela grande quantidade de lugares encantadores. Algumas cidades de destaque e santuários eram obrigatórios mas entre elas outras tantas eram muito atraentes. Fizemos um roteiro mais aberto o que nos possibilitou parar em vilas que encontrávamos pelo caminho e nem sequer sabíamos o nome, descobríamos depois; outras tantas deixamos de conhecer, um excelente motivo para voltarmos.
Midi-Pirineus abrange as regiões de Perigord, Quercy e Gasconha. Possui uma grande quantidade de cavernas habitadas pelo homem primitivo; castelos, igrejas e cidades bastides da época de guerras como a Guerra dos Cem Anos entre França e Inglaterra e Guerras Religiosas entre católicos e protestantes franceses (huguenotes).



Quando se fala em sul da França pensa-se na Provence que é muito linda e rica com suas cidades medievais, seus castelos, seus campos de alfazema, suas praias, seus pintores famosos e sua história. Lá encontramos tudo isso, muitos turistas e preços mais altos. Nesta região, mais a sudoeste, há também grande riqueza cultural e histórica porém as cidades não estão tão cheias e os preços são mais razoáveis. O único porém é que em algumas cidades menores às vezes não se encontrava nenhum morador, nem lojas e nem restaurantes abertos, só alguns turistas, talvez por ser meio de semana e fora da alta temporada, uma pena. Os restaurantes obedecem um horário fixo e nem sempre abrem o ano inteiro, sendo aconselhável ter-se uma base numa cidade maior e que o hotel possua um restaurante, às vezes esta era a única opção.

Nosso roteiro foi:

-saindo de Carcassone fomos para Lastours, Albi, Cordes-sur-Ciel e Moissac, onde dormimos
-de Moissac fomos para Cahors e o vale do Lot dormindo em Figeac
-saindo de Figeac conhecemos muitos castelos, vilas e a Gruta de Padirac até chegar em Rocamadour. Aqui dormimos 2 noites e no dia seguinte exploramos outras tantas lindas cidades próximas além de Rocamadour
-de Rocamadour fomos para Sarlat passando em Lacave e Souillac
-dormimos 2 noites em Sarlat conhecendo a cidade e o Vale do Dordogne
-saimos em direção a lugares de ocupação pré-histórica, St Émilion e Bordeaux

Desse roteiro só tínhamos reserva em Rocamadour e Sarlat.

Com exceção das duas maiores pouco encontrei escrito em blogs e guias, tive como referência algumas postagens do site do Ricardo Freire http://www.viajenaviagem.com/2009/09/isabel-o-pela-franca/comment-page-1/#comment-206398 e uma grande ajuda no site da região, http://www.greatsites-midipyrenees.co.uk que possui lindas fotos e mais opções de cidades.

























Nenhum comentário:

Postar um comentário