“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”
Amyr Klink

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Cânion do Xingó, Sergipe e Piranhas, Alagoas - Brasil 2020

Escolhemos a cidade de Piranhas em Alagoas como base para a visita aos Cânions do Xingó pelo seu belo casario colorido e por ter sido palco de um evento histórico, a captura do bando de Lampião em 1.938, foi na cidade que as cabeças de Lampião e Maria Bonita ficaram expostas.

Ficamos no Hotel Sino da Pedra, construído no alto da cidade oferece boas instalações e uma piscina com esta vista


Ao lado do hotel está o Mirante Secular com seus 360 degraus,

belas vistas do Rio São Francisco, da cidade e do outro mirante, o da Igreja de Nossa Senhora do Bonfim



Mas é do Rio São Francisco que se tem a mais ampla vista da cidade, seus dois mirantes, a Torre do Relógio e a Igreja de Nossa Senhora da Saúde.


O passeio aos cânions parte do Restaurante Karrancas na cidade de Canindé do São Francisco, do outro lado do rio, já em Sergipe, e pode ser feito com um catamarã ou com uma lancha (grupo menor), aconselha-se reservar com antecedência e foi o que fizemos porém não havia outro casal para dividir uma lancha conosco; por sorte o garçom do hotel não só nos recomendou uma lancha privativa como também nos apresentou a outro casal, fizemos um passeio mais barato, só em 4 pessoas e com mais liberdade de roteiro e paradas.

No caminho para o restaurante avista-se a Usina Hidrelétrica do Xingó cuja construção represou as águas do rio elevando o nível em 100 metros e originando a formação do cânion artificial.


nossa lancha

Primeiro navegamos pelo Vale dos Mestres com suas formações rochosas









 
passamos por uma gruta com a imagem de São Francisco

imagem de São Francisco

Próxima parada foi num receptivo onde é possível nadar num lugar cercado e fazer o passeio em um pequeno barco, cobrado a parte, pela Gruta do Talhado









Para terminar fomos almoçar num lugar lindo, com excelente infra estrutura, Restaurante Ecológico Castanho, é possível acessar por terra mas é melhor conferir as condições da estrada.




No dia seguinte fizemos o passeio para o outro lado do rio, a Rota do Cangaço, saímos com a mesma lancha diretamente de Piranhas. Aqui navegamos pelo rio aberto onde encontram-se muitas pedras e correnteza.







A parada é no Restaurante Angicos de onde parte a caminhada para conhecer a Gruta Angicos, local de captura do grupo de Lampião, mas preferimos só aproveitar o rio e o lugar.




Mas não almoçamos por lá, preferimos voltar e ir para a "prainha" de Canindé, a ideia era almoçar  mas não gostamos muito e retornamos a Piranhas,

Prainha de Canindé

no caminho encontramos um restaurante com um belo terraço e estas vistas, Restaurante Caboclo d'Água.                                                                                                



e uma excelente comida.



A despedida foi assim



































































Nenhum comentário:

Postar um comentário